Trabalhe em Segurança na Pandemia

O afrouxamento da quarenta em alguns lugares não é motivo para baixar a guarda contra o novo coronavírus

Como você tem percebido, meu amigo, a situação tende a melhorar gradualmente, mas uma série de cuidados para combater o novo coronavírus já entrou e deve continuar nas vidas de todos nós por tempo indeterminado.

Além disso, como a nossa área é considerada essencial, e muita gente tem passado dia e noite dentro de casa, os chamados para manutenção não param de chegar, ao contrário do ocorrido com a maioria das prestações de serviços.

Infelizmente, porém, os números de contágios e mortes também prosseguem em alta, e isto nos obriga a ficar mais atentos do que nunca, para resguardar nossa saúde e dos nossos familiares, o mesmo se aplicando aos clientes, claro. 

Preocupado com este assunto, bati um papo dia desses com o diretor de Operações e Finanças da ABRAVA, Leonardo Cozac. Membro do Qualindoor, Departamento de Qualidade do Ar Interior, o engenheiro é diretor da empresa Conforlab, e conhece como poucos toda essa questão.

Ele me contou, por exemplo, que o protocolo recém-divulgado pela ABRAVA, sobre os procedimentos preventivos no campo do HVAC, é uma fonte importante para dar diretrizes aos refrigeristas, assim como profissionais de outras especialidades e todos os usuários.

Ao mesmo tempo, os desde sempre obrigatórios Equipamentos de Proteção Individual – EPIs adquirem mais relevância ainda nesse momento e as máscaras, luvas de borracha e óculos de segurança devem sempre estar à mão para serem utilizados ao longo de cada visita, o tempo todo. 

O protocolo da ABRAVA reforça o papel vital desses dispositivos e orienta até sobre o tipo de roupa adequado para o trabalho: vestimentas de mangas, calças compridas e sapatos fechados.

Na área do comportamento, o negócio é a gente deixar de lado, pelo menos por enquanto, aquele jeitão brasileiro de abraçar, dar longos apertos de mão e conversar bem pertinho das pessoas. Usar álcool em gel, lavar bem as mãos e evitar aglomerações fecham a lista de cuidados a serem tomados, sempre. 

Voltando ao documento da ABRAVA, vale lembrar que ele também fala sobre a forma correta de se descartarem os filtros, utilizando sacos plásticos fechados hermeticamente, caso o ambiente seja comum. Já os locais de alta contaminação, como os hospitais, requerem cuidados especiais, a exemplo de tudo que se encontre em seu interior. 

Outra coisa que o especialista me disse e chamou bastante a minha atenção é que a pandemia deve deixar um legado importante para a nossa profissão e o mercado de forma geral: a conscientização da sociedade sobre a função dos aparelhos de ar-condicionado, que vai muito além do conforto térmico, ao melhorar a qualidade do ar, permitindo sua boa renovação nos ambientes, e a própria vida das pessoas, menos expostas a problemas respiratórios.

Em outras palavras, a correta climatização dos espaços é uma ferramenta poderosa, não apenas para o combate ao SARS-CoV-2, causador da COVID-19, mas também para evitar a proliferação dos demais agentes contaminantes, que sempre estiveram entre nós. 
Bem, conheça na íntegra as boas práticas recomendadas pelo protocolo da ABRAVA, e continue trabalhando com a máxima segurança para você e todos ao seu redor.




Comente