Todo fabricante de compressor informa o superaquecimento útil e o superaquecimento total recomendáveis para os seus equipamentos. Mas, afinal, qual a diferença existente entre esses dois parâmetros?

Pois bem, o superaquecimento útil é a variação de temperatura sofrida pelo fluido refrigerante durante o processo de evaporação, momento em que acontece um ganho de calor latente.

Esse valor é obtido subtraindo-se a temperatura de evaporação da temperatura de sucção, tomando sempre como base medições feitas na saída do evaporador.

Normalmente, essa marca varia entre 3 K e 7 K, causando retorno de líquido ao compressor e arraste de óleo excessivo quando fica abaixo disso, assim como perda de rendimento do evaporador somado à possível carbonização do lubrificante, se for além do limite.

Mas a gente deve se lembrar que o fluido refrigerante continua se aquecendo quando sai do evaporador e percorre as tubulações do sistema.

Por isso, é igualmente importante apurar o superaquecimento total, obtido com a subtração da temperatura de evaporação da temperatura de sucção, com as medições sendo realizadas na entrada do compressor.

Conhecidos esses dados, chega a hora de um cálculo final para garantir que tudo esteja funcionando bem na sua instalação, o chamado superaquecimento inútil, obtido da diferença entre superaquecimento total e superaquecimento útil.

Quando o resultado dessa conta é muito alto, na casa dos 12 K, por exemplo, isso pode ser sinal de problemas no isolamento térmico das tubulações. E se a válvula não responder à regulagem, mesmo estando totalmente aberta, seu orifício está pequeno, devendo ser substituído por um número maior.

Já se o superaquecimento estiver entre 8 K e 11 K, a gente deve abrir a haste de ajuste da válvula girando meia volta no sentido anti-horário, procedimento que deixa passar maior quantidade de fluido refrigerante e diminui o superaquecimento. Feito isso, a dica é aguardar de 10 a 15 minutos, até que a leitura de temperaturas se estabilize.

Outra possibilidade é o superaquecimento não ser atingido. Nesse caso, abra mais ¼ de volta a haste de ajuste da válvula. Aguarde novamente e repita esse procedimento, até obter o superaquecimento desejado.

Já se o valor da saída do evaporador for igual ou mais baixo que a temperatura de vapor saturado, o procedimento deve ser inverso, isto é, a válvula precisa ser girada no sentido horário. Caso o ajuste ainda deixe a desejar, a válvula de expansão pode estar com um orifício acima do necessário, devendo ser substituído por um número menor.

Bem, agora que você relembrou esses conceitos tão usados em nossa área, mãos à obra, porque não faltam por aí sistemas precisando de um bom diagnóstico de superaquecimento.

Esse tema é bastante importante para o nosso trabalho e vamos voltar a abordá-lo em textos futuros.