Muitos colegas nossos acabam se especializando em alguma área, mesmo que também atuem em outras. Um caso típico desse perfil é o de Antônio César Almeida, com quem bati um bom papo dia desses na Frigelar da Alameda Glete, na capital paulista, loja onde ele faz suas compras praticamente todos os dias.

No setor há 13 anos, desde o início sua empresa – a Preserve a Vida Assistência Técnica – tem a Vigilância Sanitária do estado de São Paulo como um de seus principais clientes.

Foi um desafio atender a tantas exigências quanto à qualidade dos serviços prestados, mas isso combinou perfeitamente com a filosofia de Antônio de sempre fazer a coisa certa, o que lhe garantiu contratos igualmente importantes com a Secretaria da Saúde e o Tribunal de Justiça de São Paulo.

Ex-técnico de fogão e encanamento de gás, o profissional hoje atua com refrigeração doméstica, comercial e ar condicionado, atividades nas quais se orgulha por oferecer sempre o melhor atendimento possível. “Eu quero ganhar confiança, o dinheiro a gente faz naturalmente”, justifica.

Um exemplo disso é a limpeza das evaporadoras, que ele sempre retira para fazê-la, nunca aplicando produtos corrosivos, mas sim água e detergente generosamente lançados por máquina de alta pressão.

“Se usar produtos químicos fortes, você acaba provocando o surgimento de pequenos furos por onde depois o fluido refrigerante vai vazar”, lembra Almeida.

No seu entender, práticas assim – a exemplo de utilizar sempre refrigerante de boa qualidade e fazer vácuo nos sistemas – só não são mais frequentes por causa do hábito do mercado de ainda preferir o preço baixo à alta qualidade, uma realidade que, infelizmente, todos nós refrigeristas conhecemos muito bem.