Os refrigeristas precisam estar atentos para adaptar sua prestação de serviços à realidade do mercado.

Um bom exemplo dessa postura foi dado por Wellington Aparecido Bezerra, que começou a trabalhar com linha branca em 2005 e, nos últimos cinco anos, deu uma guinada na rota de sua empresa, a Samafrio, de São Bernardo do Campo (SP).

“A demanda por instalação de split aumentou muito, o que fez a gente se especializar nessa área, atendendo indústrias e residências em geral”, explica o empreendedor.

Segundo Wellington, a própria crise econômica trouxe um novo nicho a ser explorado, pois várias empresas remanejaram seus galpões e outras dependências, requerendo os serviços de desinstalação e instalação de ar-condicionado.

Outra tendência positiva, no seu entender, fica por conta da entrega de um grande número de empreendimentos imobiliários. “O pessoal vai mudar e precisa deixar toda a parte de infraestrutura pronta”, comemora.

Mas, além de reagir aos diferentes movimentos do mercado, esse cliente assíduo da Frigelar acha necessário driblar certas dificuldades para o sucesso no seu dia a dia.

Um deles é a falta de previsão, nos projetos arquitetônicos, do espaço dedicado à climatização.

“Os arquitetos pensam em tudo, mas nunca no ar-condicionado. Aí, na hora da instalação, é aquela briga, porque tem que ter a estética. É, realmente, um desafio”, lamenta.