Passo a passo para evitar o congelamento da linha de sucção do ar-condicionado

Nesta época do ano, a climatização dos ambientes é muito mais requisitada, aumentando também a demanda pelos nossos trabalhos. Um dos problemas mais comuns é o congelamento na linha de sucção do ar-condicionado.

Para garantir o bom funcionamento do aparelho nestes períodos de grande demanda, nada melhor do que mantê-lo em ordem o ano inteiro. Mas se não teve jeito e o problema apareceu em um momento assim tão indesejável, o que nos resta é fazer a coisa certa e garantir o conforto térmico do usuário o quanto antes.

E o mais recomendado nestes casos é um assunto que a gente abordou recentemente: o superaquecimento. E como fazê-lo? 

Uns 10 centímetros antes da porca de conexão com a válvula, coloque um termômetro entre a espuma e o tubo de cobre. Geralmente no manifold, acima da escala de pressão, encontra-se a escala de temperatura do gás, onde a marca de 58 psi corresponde a zero grau (para o gás R22). Depois disso, é só pegar a temperatura do tubo informada no termômetro e diminuir da temperatura mostrada no manifold. 

Por exemplo: se o termômetro estiver marcando 7 graus no tubo e o manifold indicar 58 psi (0 graus), o cálculo a fazer é 7 – 0 = 7. O resultado aceitável para esta conta normalmente se situa entre 5 e 10 graus.

Vale lembrar ainda que quanto mais gás é injetado no sistema, mais a temperatura de retorno no tubo de cobre baixa, e mais a pressão no sistema sobe, diminuindo na mesma proporção o resultado da subtração a ser efetuada.

Esse procedimento deve ser feito entre 15 e 20 minutos de funcionamento do aparelho, e com o Split programado com a menor temperatura possível para que o compressor não desarme e mande o seu cálculo todo por água abaixo. Nos aparelhos mais novos, que utilizam gás R410, a “temperatura zero” no manifold não fica em 58 PSI, requerendo a utilização da tabela de conversão apropriada ou então um manifold compatível com a máquina. 

Já nos Inverter, a própria eletrônica controla o superaquecimento, bastando na maioria das vezes sanar eventuais vazamentos e providenciar a recarga de gás. Para isso, use sempre instrumentos indispensáveis como a balança eletrônica. 

Agora, mãos à obra!