Vale a pena conhecer um pouco melhor a história deste homem tão importante não só para nós, refrigeristas, como também para todos que utilizam o ar-condicionado no seu dia a dia.

Você sabia que a invenção de Willis Carrier começou a nascer em 1902, quando ele buscava uma solução para problemas de temperatura e umidade em lugares fechados?

Pois bem, o engenheiro esperava um trem em Pittsburgh, cidade da Pensilvânia até hoje conhecida como a mais chuvosa dos Estados Unidos.

Admirando aquele clima cheio de nevoeiro, ele perguntou a si mesmo: por que não empurrar o ar com água fria, fazer vapor e regular a quantidade de umidade do ambiente?

Essa ideia aparentemente simples e despretensiosa daria origem, em 17 de julho daquele mesmo ano, ao projeto do primeiro sistema de ar condicionado moderno. O equipamento foi instalado numa gráfica onde a umidade manchava o papel no verão.

Dessa forma, aos 25 anos de idade e apenas um ano depois de pegar o diploma da faculdade, Willis Carrier começava a colocar seu nome na lista dos grandes inventores do século 20, com nada menos que 80 patentes registradas.

Seu brilhantismo foi novamente demonstrado quando, em 1911, bolou a Fórmula Psicrométrica Racional, trabalho que acabaria se tornando a base de todos os cálculos fundamentais em condicionamento de ar.

Já a empresa com o seu nome, que até hoje é uma força mundial do setor, foi fundada juntamente com seis amigos no ano de 1915.

No começo, eles ainda cuidaram de sistemas para a indústria, mas em 1924 fizeram um monte de instalações para cinemas, levando, dois anos depois, o ar-condicionado também para as residências.

Até sua morte, em 1950, aos 73 anos de idade, a vida desse brilhante engenheiro foi uma vitória atrás da outra.

Por isso tudo vale a pena dar uma paradinha na próxima segunda-feira e render homenagem a alguém que, há 115 anos, revolucionou o tratamento do ar e abriu oportunidade de trabalho para tanta gente ao redor do mundo, mudando a indústria e a ciência para sempre.