Para aproveitar melhor as novas oportunidades e saber, por exemplo, em quais ferramentas e cursos de especialização investir, o profissional da nossa área precisa estar sempre atento às mudanças que ocorrem ao seu redor.

No setor de supermercados, por exemplo, têm prevalecido pelo menos três tendências principais, que vale a pena a gente acompanhar de perto.

A primeira delas começou já há algum tempo, quando as grandes redes do varejo resolveram apostar nas lojas menores, de bairro, em sintonia com a pressa e a busca do consumidor por comodidade.

O reflexo disso na refrigeração comercial é a necessidade de sistemas cada vez mais compactos, com os compressores incorporados aos equipamentos, e também mais silenciosos, devido à localização dos estabelecimentos em regiões populosas.

A segunda mudança claramente percebida é a utilização de fluidos refrigerantes alternativos ao R-22, principalmente o propano (R-290) para os sistemas compactos, e o CO2, no caso de instalações maiores, com casa de máquina e refrigeração remota.

Chama a atenção, finalmente, a importância que todas as modalidades de supermercados têm dado à redução no consumo de energia, em virtude do constante aumento das tarifas.

A consequência dessa terceira prioridade é a aplicação cada vez mais frequente de soluções que modulem os sistemas de refrigeração, com destaque para os inversores de frequência e os controles de capacidade nos compressores semi-herméticos.

Bem, agora que você já está mais atualizado sobre esse segmento tão expressivo, o negócio é ficar atento às muitas possibilidades de trabalho trazidas por ele, sobretudo para quem estiver bem preparado.